logo_grupo_interclinicas.png

Atendimento 24 horas

(11) 3421-6352

profissionais.jpg

Método

O desenho metodológico do estudo foi de corte transversal, retrospectivo, descritivo e exploratório, com base em abordagem qualitativa. Utilizou entrevistas semiestruturadas com 13 pacientes reinternados por problemas recorrentes do uso de álcool.

A pesquisa foi realizada em uma unidade de internação do setor psiquiátrico de um hospital universitário. A unidade conta com 15 leitos e dispõe de equipe de enfermagem, médico psiquiatra, médico residente e psicólogo. A internação dura em média dez dias, e o tratamento oferecido consiste em manejo clínico dos sintomas de abstinência para realizar a desintoxicação, com acompanhamento psiquiátrico e psicológico, além de um programa de conscientização e motivação para a mudança de estilo de vida.

 

Participantes

Os participantes foram selecionados conforme os seguintes critérios: sexo masculino, diagnóstico de síndrome de dependência de álcool, mais de três internações para tratamento de dependência de álcool, concordar voluntariamente e expressamente em participar da pesquisa e não apresentar sintomas físicos ou psíquicos que comprometam a realização da entrevista (dor, náusea, tontura, sedação, fissura ou ansiedade intensa, sintomas psicóticos ou quadro de demência). Este último critério foi verificado através da avaliação médica e de enfermagem.

O número de participantes foi determinado pelo critério da amostragem por saturação (Fontanella, Ricas, & Turato, 2008), que consiste na interrupção da inclusão de participantes no momento em que os dados coletados passam a apresentar muitas redundâncias ou repetições, trazendo poucas informações novas e indicando uma saturação do tema investigado no conteúdo das respostas obtidas. Sendo assim, foram entrevistados 13 sujeitos.

 

Coleta de dados

Sendo o pesquisador um membro da equipe do serviço, há familiaridade com o campo, sendo desnecessária uma abordagem de aproximação inicial (Fontanella, Campos, & Turato, 2006). Optou-se pela entrevista, a fim de buscar um aprofundamento no relato da experiência singular de cada indivíduo; e pela modalidade semiestruturada, que mantém alguma abertura à variabilidade e nuances de respostas, porém permite ao entrevistador elaborar um roteiro prévio que direcione a entrevista a tópicos mais específicos (Biasoli-Alves, 1998; Fontanella et al., 2006).

 

Os tópicos que orientaram a elaboração do roteiro da entrevista foram: 1) Contexto e sentido atribuído à experiência de recaída; 2) Sentidos atribuídos ao tratamento; 3) Contexto e sentido atribuído às experiências de recuperação; e 4) Projetos de vida. Duas entrevistas foram realizadas como estudo-piloto, cujo resultado evidenciou a necessidade de reformulações e acréscimos no roteiro. A terceira entrevista, já com os ajustes do roteiro, foi considerada satisfatória, sendo por isso a primeira a ser incluída no corpus a ser analisado. Nas entrevistas seguintes, manteve-se então o roteiro. Todas as entrevistas foram gravadas em formato de áudio mp3, e as gravações foram transcritas.

 

A codificação e a análise das entrevistas seguiram os procedimentos da Teoria Fundamentada nos Dados (TFD), de acordo com as propostas de Strauss e Corbin (2008) e, principalmente, Charmaz (2009). Semelhante a outros procedimentos de análise de conteúdo, na proposta de Charmaz (2009) a codificação do texto começa por leituras repetidas e exaustivas do material, para o autor se aprofundar na compreensão do texto e começar a identificar temas e perceber padrões, recorrências, contradições, discrepâncias e outras características com que esses temas aparecem.

 

Os elementos temáticos são as menores unidades de sentido que podem ser identificadas no texto; o destaque desses elementos é uma forma de reduzir o volume de texto sem perder conteúdo significativo. Neste estudo, o destaque desses elementos temáticos foi feito linha a linha (Charmaz, 2009); ou seja, de cada linha do texto original foi identificado um elemento (palavra ou oração) representativo do conteúdo daquela porção de texto. Resultou desse processo um conjunto de palavras e orações representativos do texto original. Foram realizadas sucessivas etapas de codificação semelhantes a essa, aglutinando, descartando e reelaborando os elementos temáticos, transformando-os em categorias, ou seja, em expressões mais abrangentes, descritivas e representativas de trechos maiores do conteúdo original, constituindo um volume de texto mais sintético para viabilizar uma análise.

 

A elaboração de categorias obedece a critérios semelhantes aos das demais modalidades de análise de conteúdo: devem ser sucintas, claras e mutuamente excludentes (Charmaz, 2009). Porém, a elaboração das categorias não é a priori, elas devem emergir do texto. Além disso, as categorias não podem ser somente descritivas do conteúdo original, o pesquisador deve procurar formular categorias que funcionem como conceitos. Isso porque a proposta da TFD não é formular uma descrição ou interpretação dos dados, mas empreender um esforço conceitual com alguma capacidade explicativa do fenômeno abordado (Charmaz, 2009). Assim, o processo de análise deve culminar não apenas em uma descrição do fenômeno, mas também em indicações de possíveis explicações para ele.

 

Aspectos éticos

O projeto de pesquisa foi aprovado pelos comitês de ética da UFSC (nº 630 CEPSH) e também do hospital onde foi realizada a pesquisa, além de outros órgãos reguladores da atividade de pesquisa nesta última. Todos os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. Os resultados do estudo foram apresentados pelo pesquisador diretamente à equipe do serviço envolvido, discutindo implicações que pudessem ser do interesse do serviço e aproveitadas na prática.