logo_grupo_interclinicas.png

Atendimento 24 horas

(11) 3421-6352

profissionais.jpg

Metodologia:

 

No que se refere ao percurso metodológico, optamos por realizar uma pesquisa qualitativa, uma vez que, segundo Minayo (1994), é um tipo de pesquisa que se aprofunda no universo dos significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, e que, portanto, preocupa-se com um nível de realidade que não pode ser quantificado.

 

Para a coleta de dados, realizamos entrevistas semi-estruturadas que, segundo Cruz Neto (1994), consistem na articulação de duas modalidades de entrevistas: as estruturadas - que pressupõem perguntas previamente formuladas - e as não-estruturadas - em que o entrevistando aborda, livremente, o tema proposto.

 

Foram realizadas 12 entrevistas, seis com alcoolistas do sexo masculino1 que se encontravam em tratamento, na época da pesquisa, no Centro de Recuperação para Dependentes Químicos Fazenda do Sol, e seis com seus familiares: cinco, do sexo feminino, e um, do sexo masculino.

 

A idade dos alcoolistas variava de 22 a 44 anos, e a dos familiares, de 18 a 63 anos. Dos seis alcoolistas entrevistados, três eram casados, e três, solteiros; destes, dois cursaram o primeiro grau completo, dois não o concluíram, um cursou o segundo grau completo, e um não havia concluído o segundo grau. O tempo de permanência na instituição variava de dois meses a dois anos e um mês. Com relação à profissão, um era pintor de automóveis, dois eram vigilantes, um era segurança, um trabalhava como motorista e um era garçom.

 

No grupo dos familiares, quatro eram casados, e dois, solteiros; um havia cursado o primeiro grau completo, dois não haviam concluído, dois cursaram o segundo grau completo, e um, o superior. Quanto ao grau de parentesco dos familiares, quatro eram irmãos de alcoolistas, uma era filha, e uma, mãe. No que diz respeito à profissão, o grupo era formado por: uma estudante, duas supervisoras do lar, uma lavadeira de roupas, uma professora e um comerciário.

Quanto à origem social dos entrevistados, segundo o coordenador da instituição Fazenda do Sol, eles se disponibilizam a receber pessoas de todas as classes sociais, no entanto, os que mais procuram a instituição são os pertencentes às classes sociais baixa e média.

 

As entrevistas foram realizadas com base em um roteiro de questões contendo 12 perguntas, previamente elaboradas de acordo com os propósitos da pesquisa. O número de entrevistas foi determinado de acordo com o número de alcoolistas internos no momento da pesquisa, pelo critério de acessibilidade e pelo número de familiares que residiam na mesma cidade em que está localizada a instituição.

 

As entrevistas foram gravadas em fitas cassete, transcritas na íntegra e analisadas com base na técnica da análise de conteúdo, mais precisamente da análise temática, proposta por Bardin (1977).

 

No que se refere à Fazenda do Sol, segundo informações obtidas na instituição, ela foi fundada no dia 13 de agosto de 2001, por um grupo de profissionais (um juiz, três médicos, um comerciante, um advogado e empresários), todos ligados à Igreja Católica, que se reuniram e decidiram criar a instituição, que se mantém por meio de trabalhos voluntários e ajudas filantrópicas, recebendo grande apoio da Igreja Católica.Além disso, os internos que têm melhores condições financeiras pagam um salário-mínimo de entrada e meio salário por mês. Os demais contribuem com o que podem.

 

A terapia ocupacional desenvolvida na Fazenda do Sol consiste num preenchimento do tempo dos internos, com atividades desenvolvidas por eles próprios, tais como: fabricação de tapetes; reciclagem de espuma; artesanato com jornais; limpeza em geral; reciclagem de madeira; montagem de placas eletrônicas etc. Aos sábados, participam de um trabalho de terapia de grupo, coordenado por uma psicóloga, que é católica. Observamos que, enquanto facilitadora do grupo, essa profissional se utilizava do discurso religioso, reforçando, entre outras coisas, a idéia de que a recuperação é algo dado por Deus.

Além dessas atividades, a Igreja Católica realiza, todos os domingos, uma missa na instituição, parte essencial do tratamento. A visita dos familiares, que são convidados a participar da missa, é também aos domingos, uma vez ao mês. Vale salientar ainda que o próprio coordenador do grupo também é da Igreja Católica e acredita ter recebido o chamado divino para coordenar a Fazenda. Assim, diariamente, fazia orações com todos os internos no pátio da instituição, sobretudo antes das refeições, com a finalidade de renovar a fé na recuperação, por meio da crença em Deus. Vale também sublinhar que os Alcoólicos Anônimos (AAs) costumam realizar palestras na Fazenda do Sol.