logo_grupo_interclinicas.png

Atendimento 24 horas

(11) 3421-6352

profissionais.jpg

O alcoolismo é uma dependência hereditária

O alcoolismo é representado ainda como dependência hereditária:

É uma dependência hereditária acompanhada por alguns fatores. Eu acho que as pessoas bebem por causa de um problema, porque o álcool faz elas esquecerem por alguns instantes. Aos poucos, a mente vai ficando dominada e se não tiverem ajuda, não conseguem sair. (RUZ, irmã)

Em outro momento da entrevista, essa informante afirma que existem,em sua família, mais pessoasque são alcoolistas. Com isso, supomos que seja por esse motivo que ela representa o alcoolismo como uma dependência hereditária. O álcool é visto por ela também como um paliativo para o esquecimento dos problemas. Conseqüentemente, com o uso excessivo, a pessoa vai se tornando alcoólatra.

Para RUZ, o alcoolismo ainda é representado como algo que domina a mente do indivíduo, deixando-o numa posição de passividade e de sujeição ao álcool. Esse aspecto aparece também em outra entrevista, como vimos. Convém enfatizar que o alcoolismo não é representado como dependência hereditária por nenhum dos alcoolistas.

 

O alcoolismo é o ato de beber em excesso

Ao ser questionada sobre o que entende por alcoolismo, outra entrevistada deu a seguinte resposta:

Alcoolismo eu acho que é isso que ele tá vivendo agora, você começa com uma dose pequena, dizendo: "Ah, eu vou experimentar". Meu avô mesmo antes de comer, ele tomava uma dose porque ele dizia que era pra abrir o estômago pra receber a comida. Mas não é, isso é alcoolismo, é alcoólatra, ele tá viciado já. Eu acho que alcoolismo é isso, é beber mesmo, beber sem parar, eu acho que você pensa: "Ah não, vou beber só hoje, experimentar", ou por questão social: "Vou beber numa festa, social". E sem saber que aquilo ali pode até viciar você. (ELI, filha)

Para essa informante, o vício da bebida pode começar por meio de pequenas doses, somente para experimentar, ou, ainda, "por questão social". Entretanto, são essas práticas que, segundo ela, levam a pessoa ao vício -o alcoolismo é um vício que vai sendo adquirido aos poucos. Vale sublinhar quenenhum alcoolista representou o alcoolismo como o ato de beber em excesso.

 

O alcoolismo é uma droga

Um dos alcoolistas entrevistados representa o alcoolismo como droga, segundo a fala:

O alcoolismo, pra mim, do jeito que eu pensava antigamente, era um divertimento. Se a pessoa tivesse uma raiva e começasse a beber esquecia tudo. Se a pessoa pegasse uma confusão e fosse beber, a pessoa pensa que passa tudo. E eu pensei que era isso. Só que depois que eu participei de várias reuniões aqui na Fazenda do Sol sobre o alcoolismo, nesses dois meses, eu garanto que se eu sair daqui, arrumar um emprego e continuar trabalhando, todo domingo eu tô aqui. Eu já falei isso pra minha mãe. Já falei isso pra família toda. Depois que eu comecei a assistir várias reuniões aqui sobre o alcoolismo foi que eu comecei a saber que o alcoolismo é uma droga. (VAN, alcoo)

VAN afirma que "o alcoolismo é uma droga", e não, que "o álcool é uma droga", o que nos leva a supor que ele pode estar tanto se referindo ao álcool como uma droga, quanto usando o termo droga num sentido negativo, sendo, portanto, o alcoolismo uma droga porque é algo ruim, prejudicial.

Para esse entrevistado, como também para outro, como já podemos observar, o alcoolismo deixa de ser algo positivo, um divertimento, e passa a ser visto como algo muito negativo, no caso, a droga. Ao fazerem uma comparação de suas representações de alcoolismo, hoje, com as que tinham no passado, constroem uma imagem que reitera o discurso veiculado pelo tratamento recebido, afinal, são alcoolistas em tratamento num centro de recuperação.

Vale sublinhar, ainda, que um familiar, após ser perguntado sobre o que é o alcoolismo, também o representa como droga: "Uma droga, pra mim, é uma droga como qualquer outra" (VAG, irmã).

 

Ainda analisando o discurso de VAN, quando ele diz: "se a pessoa tivesse uma raiva e começasse a beber, esquecia tudo", podemos perceber que o álcool é representado pelo entrevistado como um alívio para os problemas, um bálsamo. Essa representação também é encontrada no estudo de Brasileiro, Brasileiro e Ramalho (1999) sobre as representações do álcool, alcoolismo e alcoolista, de funcionários de uma instituição pública. Segundo os referidos autores, aqueles que apresentam atitudes valorativas em relação ao álcool é porque o viam como paliativo para esquecer os problemas.

Em uma pesquisa com adolescentes pernambucanos, Quintela et al. (2004) apud Castanha, Araújo (2006) também encontraram dados sobre o uso do álcool associado à questão do prazer, e observam que o principal motivo para que eles o ingerissem pela primeira vez eram as sensações prazerosas.